Novas histórias

Ano se encerrando e muitas idéias vindo à mente por esses dias de descanso. O ócio sugere bons ou maus pensamentos que podem render linhas de emoções, risos, suspiros, um pouco disso que o ser humano vive tentando compreender e passar ao outro.

Nas próximas semanas entra no ar nova história, ainda sem título certo, mas na ânsia da boa companhia de leitores que teçam seus comentários e ajudem na elaboração da literatura que espero estar cada vez mais próxima de todos.

Como num bom clichê: AGUARDEM PELA CENAS DOS PRÓXIMOS CAPÍTULOS!!!!

Excelente 2010  a todos!!!!

Abraço,

David Felipe.

Siga também no twitter @dlipe

 

Carta de Natal

Carta de Natal

Eu queria palavras que expressassem o fim das guerras e celebrassem a comida à mesa,

eu queria mais sorrisos e que a magia não fosse necessária para dizer que está tudo bem

Eu não queria, eu quero

mas isso pode passar apenas como um modo de dizer

Talvez se me importasse mais com os anjos dizendo amém aos bons pensamentos,

e que a estrela cadente me trouxesse um bom desejo

fosse então feliz

Mas quero mais mãos limpas e palavras que não sejam ditas senão do coração

Eu não quero mais um jinge bells seguido de uma manhã sem pão à mesa aos olhos pueris

Palavras são pouco, mas ainda aprendo,

que nem tudo alcançam nossas mãos

E eu adormeço por seu sorriso,

e isso já é um pouco de amor

Seu nome me lembra a data,

mas não o entrego

Num pensamento burguês, de certo

faço tese de que seu sorriso seja um bom presente

para mitigar toda essa dor.

David Felipe

Enquanto isso 3

Essa semana segue mais uma de minhas poesias. Mas brevemente, nova história por aqui. Aguardem!

  

        Imperativo

             E se eu não puder calar estes gritos que nascem dentro de mim,

            Talvez me digam louco, e me direi louco por ti

            Talvez não digam nada, nem me vêem

            Talvez, talvez, e nunca com certeza

            É isso que me falta, já percebi

            Eu quero ter certezas, é só

            Porque quero dizer te amo e ganhar um beijo

            Dizer que odeio e ser repudiado

            O que não quero é que me tenham medo

            Ou finjam que está tudo bem

            Eu quero ser e não brincar de ser feliz

            Eu te quero, mas não posso

            Se for um não, que me diga com firmeza

            Mas se pensares um pouco em mim, não se cale

            Não há tempo para um pensar em dizer, as coisas passam

            Não ache que pode, faça-me feliz. 

 

David Felipe.

Siga também no twitter: @dlipe

Enquanto isso 2

Enquanto a nova história ainda não aporta por aqui, segue mais uma de minhas poesias para vocês:

 

Anseios abstratos

Eu queria muito te ter esta noite, assim perto de mim

Eu queria que me sorrisse e ficasse em silêncio, mirando meus olhos

Eu queria sentir seu cheiro para saber se é o mesmo o qual me recordo

Eu queria descobrir a verdadeira textura de seus cabelos num longo abraço

E ver que faz sentido acreditar em deusas no amor,

Em encantos de ninfas do mundo fantástico

Eu queria tocar de novo suas mãos, saber de suas alegrias

E como partícipe de seu mundo, merecer suas palavras

Hoje não diria que te amo, se achasse tão piegas

E se amar se traduz em gestos, te beijaria sem medo terna e longamente.

 

             

Juraria não te dizer mais palavra alguma, se pudesse

 Mas sinto não ter essa opção, não querer lhe dizer palavras escritas

 É só o que posso fazer diante da falta de poderes reais

 Se pudesse não acordaria de manhã para minutos depois,

ter seu nome em meu pensamento

Se eu pudesse fazer isso ou aquilo de maneira racional,

Talvez passasse a tomar leite sem açúcar e salada sem sal

E então, em comparações grotescas não veria poesia

Como quando te coloco ao meu lado,

E sei não poder formar versos de rimas perfeitas

Você fez passar anos cronologicamente,

Enquanto eu insistia em respirar num mesmo compasso quase insuportável

Eu me torno insano e me faltam meios de pensar de outro jeito

Você me faz falta e nem sabe o quanto

É por isso que se eu pudesse, te esquecia

Arrancava sem dó a página de seu capítulo de meu livro

E talvez assim eu começasse a viver plenamente

E caminharia por terrenos desconhecidos, sem temor algum

viajando nas paisagens descobertas ao acaso

E tendo palavras para dizer,

as dedicaria para a Natureza como elemento vivo

Passaria do carnal ao sublime, nunca tendo visão perfeita do que é o pecado

Se eu pudesse, de verdade, faria-te me amar como eu te amo

E não me importaria em perder a habilidade para escrever poesia

E não ter mais idéia do que é essa dor não física a me consumir

Se eu pudesse, você estaria agora ao meu lado

Mas como não posso, tenho de divagar em meus pensamentos,

ver como teria mais cores meu mundo com você. 

David Felipe.

Siga também no twitter: @dlipe

Enquanto isso…

Olá!

Enquanto ainda não se inicia uma nova história,  e aproveitem para ler ou reler as antigas, posto aqui uma de minhas poesias para compartilhar com vocês.

 

            De braços abertos

            Eu vou te esperar de braços abertos

            Pra mostrar tudo o que conheço por meus olhos

            Numa visão surreal, talvez

            Se eu tivesse um único pedido,

            Pediria que ainda houvesse esperança

            Pra alguma coisa entre mim e você

            De braços abertos pra te acolher a qualquer momento

            Com os olhos vivos pra não te perder do mundo real,

            E trazer-lhe de volta, pra compartilhar meus sonhos

            E não perder o domínio dessa alma que voa longe

 

            Eu vou te esperar de braços abertos

            Com as mãos prontas a secar suas lágrimas,

            Se vier com pranto nos olhos

            E com palavras bonitas para reencontrar seus sorrisos

            Num dia de sol ou de chuva,

            Eu sei que vai aparecer à porta

            E eu vou poder tocar-te o rosto num gesto de carinho

            Como se fosse você a ter ido a guerra e eu a esperar sua chegada

            Não me importarei com velhas feridas

            Apenas te cobrirei de flores e louros

 

            Então me abrace forte,

            Se acaso esse dia chegar em meu plano

            E nada mais que você invada meu pensamento

            Por estar presente e poder te sentir, a um palmo de mim

           

            Então me abrace forte

            Permitindo que eu sinta sua respiração

            E nada mais nos importe

            Além de mim e você. 

David Felipe

Muito obrigado

MUITO OBRIGADO!!!

É o que posso dizer depois dessas seis semanas em que REDENÇÃO esteve por aqui, na narrativa de um processo nada fácil de se passar.

Grande alegria dividir essa história com os já companheiros do blog e novos leitores, que espero terem se envolvido de alguma forma pelas palavras desse pretenso escritor que faz da literatura sua oportunidade de se expressar num mundo onde ainda não há muito espaço para isso.

Para as próximas semanas faço um convite para que os que ainda não leram, deêm uma olhada nas outras histórias aqui postadas, Mais uma de amor e Clube 15 Espero que leiam até o ponto final, rs.

Breve mais uma de minhas novas histórias.

Aguardo comentários  e sugestões.

Abraço,

David Felipe.

Sigam também no twitter @dlipe.