REDENÇÃO – 11. Polo

REDENÇÃO

11 – POLO

            O mundo pode ter poder para muito, diante das forças ocultas que tantos citam por aí. Só não pode haver força maior do que um querer de verdade, de se entregar sem medo ao processo. É isso o que venho tentando fazer desde o dia em que a Europa interrompeu meu momento de felicidade.

            Após alguns dias sem a luz do sol, consegui tomar um banho quente, servir-me de cereja e chocolate num mesmo café da manhã e ainda assim, não ter os olhos pesados. Se eu te dissesse que foi fácil, estaria com uma fácil mentira no ar. Não seria o mais honesto, nem se pareceria comigo. Tenho certeza de que voltaria a embriaguez onírica de pouco tempo atrás.

            Posso dizer que o processo de redenção continua e que aos poucos consigo olhar no espelho e encontrar um meio sorriso em meus lábios. Voltei ao contato com o mundo lá fora e sei que ele é tão real quanto os meus devaneios adentrando a madrugada ou lembranças de seu último adeus, no momento em que ainda estava entre o sonho e a realidade. Acordar todos os dias e recuperar as aulas perdidas na faculdade, atualizar meus e-mails e voltar ao trabalho de revisão de alguns textos e elaboração de resenhas de filmes para atualização do conteúdo online para periódicos da rede são o compêndio de coisas que tem me mantido estável.

(…)

            Ainda penso, às vezes, se isso é o mais indicado, se é a atitude certa redimir-me, encarar a vida com outros olhos. Não, não é nada causado pelas alterações de humor. Isso já está medicamente controlado. É o pensamento que de tão livre, chega a me confundir. Não tenho certeza se o que sei é amar, pois se assim o fosse a situação teria nos levado a outros rumos, não sei. Se eu tivesse mais coragem em falar que em escrever e novamente me declarar? Assim, provavelmente eu o saberia, isso que chamamos amar.

            Ah, sonhos que vão longe. E tu não estás.

            Redenção, enfim?

            “Eu devo desistir para um dia ser feliz?

            Ou devo resistir? Ou devo insistir?

            Não, não. Eu não vou desistir assim!”

(Continua)

****Siga tanbém no twitter @dlipe

David Felipe.

Anúncios

2 pensamentos sobre “REDENÇÃO – 11. Polo

  1. Nathalia disse:

    David, eu amei!!! Ainda estou arrepiada com o texto… ja virou minha leitura de “cabeceira”!
    Parabéns!

    Bjos.

    • davidfelipe disse:

      Nossa, adorei o leitura de “cabeceira”, obrigado. Bom saber que a leitura causou boas impressões.
      Bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s