Mais uma de amor – Parte 3.3

Mais uma de amor – Parte 3.3

            Quando chegaram ao determinado bar escolhido naquela noite, Elisa e Tony já estavam sentados à mesa, bebendo algo:

            -Olá, Elisa. Vejo que anda aderindo à vida saudável do meu priminho. Suco de goiaba, acertei?

            -É, dá pra você começar a pensar em ganhar algum dinheiro com as suas adivinhações.

            -Não liga, Lisa. Sabe como ele é.

            -Sei, Raissa, sei bem.

            -Oi, Raissa. Tudo bem?

            -Bem, obrigada. Podemos sentar?

            -Claro, fiquem à vontade – vinha Tony, colaborar no tom mais formal de nossa Julieta.

            Os casais passaram por variados assuntos, com a colaboração das tiradas bem humoradas de Elisa e o jeito não pensado de Maurício de ser engraçado por seus modos característicos. Não que Tony e Raissa não cooperassem para boas risadas, mas eram mais comedidos em seus comentários. E antes que se pense em uma troca de casais por afinidade, faz-se importante lembrar da boa união de opostos, como os pólos de um ímã.

            -Ímã de geladeira? Tenho vários que fui comprando aos poucos.

            -Depois, eu que tenho manias estranhas, Raissa.

            -E o que há demais nisso? São muito úteis…

            -…E seguram bem seus lembretes.

            -Ah, isso não precisava falar assim, Lisa. Vão pensar que sou…

            -…Confusa? – questionava Maurício.

            -E quem não é um pouco desligado? – interferia Tony.

            -Não, não é isso. Os recados servem como mais uma conferência além da agenda. A Raissa leva a sério essas coisas com horário, datas marcadas.

            -Como aniversários de namoro? – questionava Maurício.

            -Aniversário de namoro, por exemplo. Pode ser. Talvez ela precise até a data em que eu comecei a namorar o Tony.

            -Ah, então somos namorados, Lisa?

            -Um mês juntos. Só se você…

            -Calma, foi só brincadeira.

            -Após um mês de convivência, podemos chamar de namoro.

            -Bem, Raissa…Acho que essa mesa já está ficando pequena pra gente continuar aqui.

            -Concordo com você. E Elisa, não sei data não, mas garanto que foi um fim de junho inesquecível.

            -Vê, pelo menos o mês ela sabe. – concluía Elisa.

            Maurício levantou-se da mesa e encaminhou-se com Raissa à pista de dança:

            -A noite, pelo visto, só está começando para os dois ali.

            -Quem sabe, mas não costumo me interferir em algo que não me compete. Não é da minha alçada, compreende?

            -Foi mal, só um comentário à toa.

            -Eu sei, você é mesmo sempre assim à toa.

            -Já vai começar ofendendo, guria?

            -Guria? Essa foi a última falha da noite? Se foi, eu até penso em te perdoar.

            -Foi mal de novo.

            -Foi péssimo.

            -Está certo, nada de buscar referência passadas. Aliás, você não é uma garota.

            -Não?

            -Não… – e balançava a cabeça de leve –… É uma linda mulher.

            -Acho que está começando a se sair bem. Mas um nome de filme?

            -Não importa o nome, se a gente está dentro do filme, tudo é real. Até isso…

            A melhor luz, o melhor ângulo, um tema musical incidental, os rostos se aproximam e todos ao redor somem. A música cede lugar ao silêncio e os corpos se unem por instantes, num único beijo.

            Era tudo que eles queriam concretizado em segundos, o tempo do primeiro fôlego prejudicado pela ação da adrenalina presente no ápice do momento em que se aproximaram mais.

            -Eu te amo – disse Maurício com a voz pausada, respirando mais forte.

            -Eu…Eu…Desculpa, mas é cedo pra eu te dizer isso.

            -Tudo bem. A gente está começando, certo?

            -Acho que sim.

            -Eu tenho certeza. Aliás, por mim já tinha começado faz tempo.

            -Tudo ao seu tempo.

            -E então, posso te pedir mais um…

            Raissa não esperou o término do pedido, resolveu deixar de lado o fato de ponderar sempre suas atitudes e o beijou longamente. Um segundo momento, ainda fazendo fluir as emoções mais exacerbadas dos enamorados e sem cinco dedos marcados para ruborizar o mancebo.

            O cenário criado na mente de cada um possivelmente guardava suas diferenças, porém igualava-se nas emoções. Era como caminhar em nuvens, pisar em algodões multicoloridos, ver as palavras “eu te amo” soltas, voando no ar, o pensamento de uma garota escrevendo em seu diário. Todavia não havia ali mais nenhuma criança ou adolescente para ficar criando coisas ou se iludindo em devaneios amorosos, estava na hora em que se pode fazer o que tem vontade sem medo de se arrepender de suas ações.

            Raissa não estava mais confusa em relação ao que sentia, só tinha receio de que as coisas não tomassem o rumo desejado, por permitir-se agir no calor daqueles minutos. A noite mostrara-se proveitosa até ali e antes que ela acabasse, sua vontade era de voltar para casa e sorrir para si mesma em frente ao espelho, tirar a maquiagem pouca que usava e continuar a sentir-se bonita, amada de verdade e não febril como a Teresa de Castelo Branco.

          Maurício pensou em levá-la dali e tê-la por inteiro naquela mesma noite, mas sabia da necessidade do tempo para o momento de clímax se tornar mais agradável e não apenas os últimos suspiros de uma noite a qual se pintava como um quadro perfeito. O rapaz não sabia se seria para sempre, contudo, sabia que Raissa não era como as garotas de um só carnaval. Os fatos caminhavam, ao menos, para alguns meses de romance nos quais ele tentaria provar ser mais do que revelara nos encontros até então desastrosos.

          Romeu guiou sua carruagem até o palacete de Julieta e deixou-a partir com um ósculo terno, ainda que Maurício tivesse um automóvel sedan, a jovem morasse num apartamento de classe média e o ósculo ficasse mais próximo de um longo e apaixonado beijo francês.

(Continua)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s